Invisibilidade.

Uma vez, em seu livro “Doidas e Santas”, Martha Medeiros contou uma história que aconteceu com ela. Ela estava na sala de embarque, esperando seu voo, sentada em uma cadeira e de repente, um homem (gordinho) veio em sua direção, e fez como quem ia se sentar na cadeira. Isso mesmo, na cadeira dela. Isso mesmo, em cima dela. Ele não a viu.

Você pode se perguntar “Como assim? Como ele não viu que ela estava naquela cadeira?” Ele simplesmente não viu. Assim como a gente também não vê quando o nosso vizinho (aquele chato) acena e nos dá “bom dia”. Assim como a gente não vê quando uma pessoa que trabalha/estuda no mesmo lugar que você passa por você, sem o uniforme. Assim como a gente não vê as coisas boas que aconteceram na nossa vida. Do mesmo jeito que a gente não vê isso, aquele homem não a viu.

Você irá dizer “Mas é uma pessoa, como não ver uma pessoa?” É né, pois é! É uma pessoa, como não vê-la? Essa pergunta tem que ser feita a você mesmo. Sabe aquela pessoa que era sua amiga e, dias atrás, sentou do seu lado no ônibus, e você não falou com ela porque não viu? Como você não a viu? Ela é uma pessoa! E aquele rapaz que entrega sua pizza, que falou com você no meio da rua e você não o viu? Ele é uma pessoa, como pode ter você não o visto?

“Ah não, é diferente.” Diferente porque? Existem duas pessoas na história, uma viu a outra, mas a outra não a viu. “Ah, mas é diferente, ele ia sentar em cima dela.” É, você não sentou em cima da pessoa, mas você não a viu. Do mesmo jeito do homem.

Só que existe um detalhe: você, supostamente, não viu. Você finge que não vê, que não conhece e que não lembra. Mentira minha? Não. Porque eu também faço isso, infelizmente. Só que o que acontece é que de tanto a gente “não ver”, de tanto “passar batido”, as coisas ficam verdadeiras. O “não te vi” passa a ser uma cegueira, e o “passar batido”, esquecimento. E as pessoas vão sendo deixadas para trás, sem a mínima atenção. Sem explicação.

Afinal, o cara da pizza não é tão conhecido assim, não é? Aquela sua antiga amiga, faz quanto tempo, quatro anos que não fala com você, então pra que reconhecê-la? Lembre-se que não existe só você, existem os outros.

“Moral da história: preste atenção. Mesmo onde você enxerga um vazio, pode ter gente dentro.” (Martha Medeiros)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s